21/10/2020 às 06h06min - Atualizada em 21/10/2020 às 06h06min

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

Aliberação de grandes quantidades de metano do fundo do mar têm sido suspeitas

O estudo foi publicado hoje na revista científica internacional Nature Geoscience. Foto: Domínio público

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo de novo, alterando o curso da evolução. A mais radical extinção em massa ocorreu há cerca de 252 milhões de anos. Ela marcou o fim do Permiano e o início do Triássico. Cerca de três quartos de toda a vida terrestre e cerca de 95% da vida no oceano desapareceram durante poucos milhares de anos.

Atividades vulcânicas gigantescas na Sibéria de hoje e a liberação de grandes quantidades de metano do fundo do mar têm sido suspeitas por muito tempo como possíveis gatilhos da extinção Permiano-Triássico. Mas a causa exata e a sequência de eventos que levaram à extinção em massa permaneceram altamente controversas.

Mas agora cientistas da Alemanha, Itália e Canadá — através do projeto financiado pela UE BASE-LiNE Earth liderada pelo Prof. Dr. Anton Eisenhauer do GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research Kiel em cooperação com o Helmholtz Centre Potsdam GFZ German Research Centre para Geociências — pela primeira vez, foram capazes de reconstruir de maneira conclusiva toda a cascata de eventos da época usando técnicas analíticas de ponta e modelagem geoquímica inovadora. 

Para seu estudo, a equipe do BASE-LiNE Earth usou um registro ambiental frequentemente negligenciado: as conchas de braquiópodes fósseis. “São organismos semelhantes aos moluscos que existem na Terra há mais de 500 milhões de anos. Pudemos usar fósseis de braquiópodes bem preservados dos Alpes do Sul para nossas análises. Essas conchas foram depositadas no fundo das plataformas marítimas rasas de o oceano Tethys há 252 milhões de anos atrás e registraram as condições ambientais pouco antes e no início da extinção”, explica a Dra. Hana Jurikova. Ela é a primeira autora do estudo que conduziu como parte do projeto BASE-LiNE Earth e sua tese de doutorado no GEOMAR.

Medindo diferentes isótopos do elemento boro nas conchas fósseis, a equipe conseguiu rastrear as alterações dos valores do pH do oceano há 252 milhões de anos. Como o pH da água do mar está fortemente conectado à concentração de CO2 na atmosfera, a reconstrução deste último também foi possível. Para as análises, a equipe usou análises de isótopos de alta precisão no GEOMAR, bem como microanálises usando o equiamento large-geometry secondary ion mass spectrometer (SIMS) de última geração na GFZ.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%