13/01/2021 às 06h20min - Atualizada em 13/01/2021 às 06h20min

Lincoln, exemplo de superação e amor ao esporte

Atleta submeteu-se à cirurgia de retirada do rim esquerdo

- Peter Falcão
Pauta Livre Assessoria
Lincoln exemplo de superação, curou câncer nos rins e, um ano depois, foi campeão mundial de futebol de areia. Foto: Peter Falcão

 

O capixaba Lincoln foi gigante e hoje é exemplo incontestável de superação. Atleta de forma física invejável, detectou câncer nos rins em agosto de 2018, mas manteve-se firme, fiel aos seus sonhos, soberano com sua fé.  

Em dezembro do mesmo ano, submeteu-se à cirurgia de retirada do rim esquerdo. Em abril de 2019 retornou às atividades físicas e em julho, do mesmo ano, já defendia Marechal Floriano no Campeonato Estadual de Futebol de Areia. 

 

Disputou, com êxito, diversos torneios (em alguns dos quais sendo eleito melhor jogador ou tendo sido artilheiro) e no início da temporada seguinte foi convocado para a disputa da primeira edição do Campeonato Mundial de Futebol de Areia Raiz, que por causa da pandemia foi realizado no final do ano. 

 

Mostrando todo o seu talento, o capixaba foi campeão invicto pela seleção brasileira, tendo marcado dois gols, um deles considerado, pelos participantes, o mais bonito da competição.  

 

Na entrevista abaixo, Lincoln nos conta um pouco de sua luta para vencer esta doença tão terrível e também de sua glória eterna ao conquistar um título mundial. 

 

Lincoln: mais do que atleta de sucesso, uma verdadeira inspiração. Confira abaixo. 

 

Entrevista: 
 

*Quando começou a sua luta contra o câncer? 

Minha luta contra o câncer começou exatamente em agosto de 2018, quando comecei a urinar sangue e daí, em novembro, descobri que tinha câncer em um dos rins. 

 

*Nossa... 

Devido á proporção da doença foi necessária uma cirurgia de retirada do rim esquerdo, o que aconteceu em dezembro de 2018. 

 

*Quando você conseguiu retomar as atividades físicas? 

Foi em abril de 2019 e em julho competi no Campeonato Estadual de Beach Soccer, realizado em Vila Velha, defendendo Marechal Floriano. 

 

*Na verdade, você voltou em grande estilo, com brilhantismo... 

Fui artilheiro e eleito melhor jogador de torneio realizado em Meaípe, pelo Bruno Xavier. E também fui artilheiro do Campeonato Municipal de Vila Velha. Atuei pelo Craques da Praia. Participei também da Copa Luz do Mundo, realizada em Iriri. 

 

*A convocação para a primeira edição do Campeonato Mundial de Futebol de Areia Raiz foi quando? 

Foi em janeiro de 2020. O evento seria em março, mas foi adiado para dezembro último em função da pandemia. É bom destacar que esta convocação me motivou a treinar mais e mais em busca do meu objetivo. 

 

*A competição aconteceu no Parque Olímpico do Rio de Janeiro com dez seleções: México, Tunísia, Colômbia, Paraguai, França, Chile, Uruguai, Bolívia, Angola e Brasil. O que achou da sua participação? 

Considero minha participação muito importante, pois, além de ser a realização de um sonho, pude contribuir com dois gols que ajudaram muito o Brasil a conquistar o título. 

 

*O gol contra a França foi sensacional. Após cobrança de escanteio, você deu um chapéu no adversário e, sem deixar a bola cair, chutou cruzado no ângulo, com a canhota... 

Foi um gol que ficou marcado. Dentre os participantes do evento e integrantes das seleções, foi escolhido o mais bonito da competição. 

 

*Quais são as diferenças mais marcantes do beach soccer e do futebol de areia raiz? 

No futebol de areia raiz são dois tempos de 20 minutos e cinco jogadores na linha. No beach soccer, três tempos de 12 minutos e quatro jogadores na linha. Basicamente são estas as principais diferenças. 

 

*O Brasil teve campanha irretocável... 

Foi ótima, com 100% de aproveitamento. Ganhamos todas as partidas da competição: 5 x 3 (França), 5 x 2 (Tunísia), 11 x 1 (México), 2 a 1 (Angola), 4 x 1 (Uruguai) e 4 x 2 (França) na grande final. 

 

*Qual expectativa para 2021? 

O ano está começando e a expectativa para 2021 é grande pois a pandemia dificultou bastante o esporte em 2020. 

 

*Como você se sente, após a luta que você travou pela vida e, agora, com o título do Mundial? 

Me sinto feliz e orgulhoso e, principalmente, agradecido a Deus por estar vivo e praticando este esporte que amo. 

 

*Qual é a sua maior motivação? 

Deus, minha saúde e minha família. 

 

*Por favor, sua mensagem final... 

A mensagem que deixo é muita fé e nunca desistir dos sonhos. Viva a vida intensamente. 

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

45.7%
23.9%
30.3%