23/08/2021 às 10h25min - Atualizada em 23/08/2021 às 10h25min

Vida longa Welker Marçal Almeida, saudações amigo Kieza!

Seu grande parceiro era o David também cara especial

- Peter Falcão
Pauta Livre Assessoria
O grande atacante passou por mais de uma dezena de clubes. Foto: Peter Falcão.


 
 Kieza teve breve passagem pela Desportiva antes de brilhar no Rio Bananal, vice-campeão capixaba em 2008. Era, aparentemente, garoto um pouco assustado. Mas quando foi contratado para a Copa Espírito Santo, já se mostrava experiente e extremamente determinado. 
 
Nós assessorávamos a Desportiva. Kieza, disciplinado, seguia à risca o que sugeríamos para sua imagem ser a melhor possível nas páginas dos jornais. 
 
Ajudou muito, ele ser um “cara do bem”. Batalhador, fazia parte da turma que dormia no próprio Araripe para economizar. Fez sucesso estrondoso com seus muitos gols, a ponto de as meninas irem no estádio acompanhar treinos somente para vê-lo. 
 
Seu grande parceiro era o David, também cara especial. Os dois, em alguns treinos, trocavam uns tapas nos rostos, depois gargalhavam.  
 
Difícil foi explicar para repórter de jornal que apareceu por lá que se tratava de algo corriqueiro.

Ainda bem que acabou o treino e ela viu os dois saindo abraçados. 
 
Um dia apareceram com cabelos estilosos. Tinham acabado de vir da barbearia. “Viraram” metrossexuais para matéria de capa de A Gazeta. 
 
 A rapaziada gostou da novidade e no jogo seguinte tínhamos quase time inteiro em ação com cabelos de cortes, digamos, pouco convencionais. 
 
Kieza foi determinante na campanha do título da Copa Espírito Santo de 2008. Um jogo me marcou. Aconteceu no dia 27 de outubro, no estádio da Estiva, na Serra.  
 
Foi a primeira partida da semifinal, quando a Desportiva goleou por 3 a 0, praticamente assegurando vaga na final. Mesmo com o tornozelo esquerdo inchado, Kieza estufou as redes duas vezes e David fez o terceiro gol. 
 
Com as grandes atuações da Copa Espírito Santo, tendo sido artilheiro com 12 gols, no seu primeiro título no profissional, se transferiu para o Americano, de Campos (RJ), que, curiosamente, fez amistoso meses depois contra a Desportiva, em Cariacica. 
 
A torcida, magoada, o vaiou, mas até hoje ele tem forte ligação afetiva com seu “clube de coração”. 
 
Continuamos mantendo contato, via “velho” Orkut. Mesmo quando se transferiu para o Fluminense. Ele me pedia fotos da sua época grená. Meses depois, as solicitava novamente. Havia perdido em mudanças de computadores. 
 
Em férias, veio ao Estado descansar e aceitou convite para atuar pela seleção capixaba de futebol de areia no amistoso internacional contra o Uruguai.  
 
Atendeu meu telefonema para entrevista ainda no Recife (PE). E participou do treino da seleção, na Praia da Costa. Ao desembarcar do carrão, de mais de 100 mil, me deu abraço afetuoso. 
 
Anos depois foi atuar na China. Na ocasião, o ex-goleiro Paulo Sérgio, amigo querido (e patrão durante 13 anos), me contratou para municia-lo de informações visando a enriquecer sua coluna no jornal A Gazeta.  
 
Precisava de bela entrevista para a estreia da coluna. Recorri ao Kieza que me respondeu prontamente, revelando que na China ganhava o equivalente a “medalhões” da Série A do futebol brasileiro. Por falar em belos contratos, Kieza jogou também na Arábia Saudita. 
 
O grande atacante passou por mais de uma dezena de clubes e infelizmente se contundiu gravemente, agora em 2021, no seu retorno ao Náutico, em excelente temporada. 
 
Foi, sem dúvidas, neste clube que teve sua melhor fase, em 2011, tendo sido vice-campeão da Série B e artilheiro da competição com 21 gols. 
 
O capixaba tem vários títulos em seu currículo. Pelo Americano foi campeão do Torneio Moisés Mathias de Andrade: 2009. Pelo Náutico ganhou: Copa Pernambuco: 2011 e Campeonato Pernambucano: 2021. No Bahia: Campeonato Baiano: 2015. No Vitória: Campeonato Baiano: 2016 e 2017 e no Botafogo: Campeonato Carioca: 2018. 
 
Dentre seus prêmios individuais constam: Craque do Campeonato Baiano: 2015. Seleção do Campeonato Baiano: 2015. Seleção da Copa do Nordeste: 2015. Seleção do Campeonato Pernambucano: 2021 e Craque do Campeonato Pernambucano: 2021. 
 
Suas artilharias: Campeonato Brasileiro - Série B: 2011 (21 gols), Campeonato Baiano: 2015 (8 gols) e Campeonato Pernambucano: 2021 (10 gols). 
 
Já estava esquecendo, mas vou revelar passagem curiosa que tive com o goleador.  
 
Me intrigava como era escrito o seu nome em início de carreira: “Kiesa”.  
 
Um dia, ele foi convidado para conceder entrevista, em transmissão ao vivo, para o site Gazetaonline. 
 
O chamei para conversa e sugeri que seu nome teria mais “força” escrito com “Z”. Pedi para ele falar durante a entrevista este, digamos, “tema”. Não deu outra, já na semana seguinte “Kiesa” passou a se chamar “Kieza”. 


Não sei se ajudei, mas fiz o que meu coração sugeria. 
 
Vida longa Welker Marçal Almeida. Saudações amigo Kieza! 
 
 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%