14/12/2021 às 04h11min - Atualizada em 14/12/2021 às 04h11min

Rafinha, o maestro de talentos múltiplos

Além de imenso sucesso no Espírito Santo brilhou em âmbito internacional

- Peter Falcão
Pauta Livre Assessoria
O craque atualmente só joga por lazer. Para relaxar ama viajar e passear com a família. Fotos de Peter Falcão.



Com a altivez que o maestro rege a sua orquestra, ele conduzia seus times. Rafinha foi um craque na amplitude da palavra, que entrou para a história do futebol de areia não somente pelos muitos títulos, mas também pela genialidade de suas jogadas. 


O raciocínio era mais veloz do que um raio e a conclusão a gol de precisão cirúrgica. Dava gosto vê-lo em ação: estilo clássico e moderno em sintonia e à serviço do esporte. Rafinha foi dos grandes. Além de imenso sucesso no Espírito Santo brilhou em âmbito internacional conquistando títulos por um Vasco imbatível, como o primeiro Mundial de Clubes. 


No Campeonato Estadual teve participações brilhantes em muitas edições, em especial em 2010 quando impressionou sendo o artilheiro, com seis gols, e eleito o Melhor Jogador, conduzindo Vitória ao título. 

 
Na seleção capixaba saboreou os maiores títulos, assumindo, sem problemas, sua liderança natural. 

 
O craque começou na escolinha de futsal do condomínio que morava e seguiu para a AERT com 12 anos.


Acredita que foi no futebol de areia, dentre as várias modalidades que praticou, que mais se destacou, exatamente por ter ficado mais tempo e se dedicado mais. 


As maiores emoções foram a conquista do título do Mundial de 2011 pelo Vasco, o tri do Campeonato Brasileiro de Seleções pelo Espírito Santo (2010) e a primeira convocação para a Seleção Brasileira. 


Rafinha tem marcas impressionantes no Campeonato Estadual de Futebol de Areia. Disputou 14 edições, chegou em 14 semifinais e conquistou nove títulos. 


Os treinadores, segundo o craque, falavam que o seu “um contra um” era muito forte, assim como sua compreensão tática do jogo. “Diziam que tinha uma leitura de jogo acima da média”, comentou. 


Ele destaca que na areia teve alguns parceiros tops. “Bruno Xavier no Vasco, Bruno Malias, na seleção Capixaba e Duda também”, disse. 


Amigos fora das quatro linhas, Rafinha destaca, dentre vários, Bruno Xavier, Bruno Malias, Duda e Camilo. 


Defender o Vasco foi a realização de grande sonho. “Foi sensacional: nunca imaginava jogar no Vasco e depois conquistar tantos títulos importantes e me tornar um dos maiores do clube no beach soccer”, revelou. 


Segundo Rafinha, fato curioso se relaciona ao maior rival. “Jogamos muitos jogos contra Flamengo e ganhamos todos e sempre fazendo gols, inclusive, no jogo de maior torcida no beach soccer mundial (Vasco x Flamengo) em Manaus, com Edmundo ao lado”, recordou.


Rafinha nunca escondeu o orgulho de ter defendido a seleção capixaba. “Foi especial, a seleção chegou em uma hora na qual estávamos em baixa no esporte nacional em geral, e fomos conquistando títulos e sempre disputando as primeiras colocações”, disse. 


“A torcida tinha uma harmonia bacana, por onde jogávamos a arena sempre lotava e víamos na expressão dos torcedores o prazer que eles tinham com nosso trabalho e o orgulho que eles sentiam de serem capixabas”, acrescentou. 


O craque atualmente só joga por lazer. Para relaxar ama viajar e passear com a família. 


Seus maiores ídolos são Ayrton Senna e Zico. “Eu cresci vendo Airton Sena aos domingos, vibrando com ele e tendo orgulho de ver a bandeira do Brasil no alto”, destacou. 


“E mesmo sendo vascaíno sempre admirei o Zico pelo talento e pelo homem de família que sempre foi e é até hoje. Pude conhecê-lo no beach soccer e jogar com Tiago seu filho no fut 7 e se confirmou aquilo que sempre via nele”, afirmou. 


Rafinha mostra gratidão por todo o sucesso e, sobretudo, pela saúde. “Quero agradecer a Deus pela oportunidade de viver uma vida dentro do Esporte onde aprendi quase tudo que reflete minha vida hoje, disciplina, respeitar o outro, viver sabendo que as pessoas são importantes em cada processo, amar sempre o que fizer.

Tive o privilégio de jogar beach soccer, futsal, fut 7, futebol de campo e ser campeão em todos as modalidades e, principalmente, fazer muitos amigos de verdade”, finalizou. 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.6%
23.3%
30.1%