26/12/2021 às 15h01min - Atualizada em 26/12/2021 às 15h01min

Enício Pereira: o extraordinário hendecacampeão capixaba de corridas de rua

Esportista lamenta o pouco apoio ao atletismo local

- Peter Falcão
Pauta Livre Assessoria
O Grande atleta Enício se sente com o dever cumprido. Foto: Peter Falcão


 

Não é exagero dizer que Enício Pereira, mineiro radicado no Espírito Santo há cerca de 20 anos, é “lenda viva” das corridas de rua. 

 

Seu currículo não tem igual e dificilmente será atingido, pelo menos, nesta década. Para se ter ideia são 240 primeiros lugares em provas de variadas distâncias e nada menos do que 11 campeonatos estaduais conquistados ou seja: trata-se de um hendecacampeão. 

 

E também como treinador, este exemplo de determinação, trilha caminho do sucesso. Basta dizer que a Equipe Enício Pereira, atualmente, tem nada menos do que 75 integrantes. 

 

O crescimento tem como receita, segundo ele, respeito, carinho e tratamento igualitário. Para fazer parte é recomendável estar em um treino presencial ou por meio de uma consulta telefônica com o treinador para conhecimento de perfil. 

 

O grande atleta formou-se em Educação Física. “A finalidade principal foi adquirir conhecimentos científicos e teóricos para continuar no esporte que gosto visando a poder transmitir aos outros”, destacou. 

 

Ele continua competindo em alto nível. Tanto que venceu os Estaduais de 2018 e 2019. Atualmente tem 50 anos. 

Enício lamenta o pouco apoio ao atletismo local. “Temos carência de atletas em condições de fazer treinamentos de alto rendimento”, disse. 

 

“Nossa juventude está sem estímulo para se interessar por esporte devido à precariedade. O interesse é mínimo de empresas privadas em patrocinar este esporte”, continuou.  

 

Para ele é urgente haver mais união dos atletas para “emitir formalizações viáveis aos órgãos competentes”. 


Especialistas explicam que um dos favores que colaboram para o sucesso do Enício é a sua versatilidade para correr com competência as mais variadas distâncias. 

 

Com tantas glórias, incluindo o título da Copa Brasil de Cross Country de 2003 e duas convocações para a seleção brasileira de atletismo, o grande atleta se sente com o dever cumprido. 

 

“Conquistei meus objetivos. Deixei um legado. História e muitas amizades para o tempo em que eu viver aqui na terra”, finalizou. 

 



Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.6%
23.3%
30.1%