24/01/2022 às 07h58min - Atualizada em 24/01/2022 às 07h58min

Fernanda Sabaini: pérola de brilho único e talento raro

Que tal conhecer melhor a nossa pérola do Atlântico ?

- Peter Falcão
Pauta Livre Assessoria
Em todas as disputas a atleta brinda o público com exibições de gala, sutis, refinadas, enfim, exuberantes. Fotos: Peter Falcão.



Difícil vê-la em ação e não se encantar com tamanho talento em todos os tipos de pisos. Conhecê-la sem reverenciá-la pela energia que transmite das mais positivas. 

 
Fernanda Sabaini, não é exagero dizer, é pérola reluzente que os deuses presentearam o Estado do Espírito Santo. 

 

Campeã mundial universitária de futebol de campo e de várias competições do calendário nacional de futsal, quando atuava em Santa Catarina (como bicampeã da Taça Brasil Adulta), Fernanda também brilha no futebol de areia capixaba, tendo já vencido edições do Municipal de Vitória e do Estadual.  

 

Em todas as disputas a atleta brinda o público com exibições de gala, sutis, refinadas, enfim, exuberantes.  

 

Que tal conhecer melhor a nossa pérola do Atlântico. De luz rara e brilho transcendental. Vamos nessa?  

 

A vida da Fernanda no esporte se deu, sobretudo, ao fato de ter diferença pequena de idade em relação ao seu irmão do meio.  

 

“Como eu era caçula, onde ele ia eu ia atrás, então desde os seis ou sete anos de idade comecei a brincar na quadra com meu irmão e os meninos de Jardim América”, recordou. 

 

A atleta brilhou desde muito nova nas competições de futsal, não raramente sendo a artilheira e melhor jogadora dos eventos. 

 

“Acho que o fato de ter iniciado com os meninos, pode ter ajudado a ter melhor desempenho quando fui chamada para jogar no feminino”, avaliou. 

 

“Futsal era minha vida, se pudesse treinar todos os dias, eu treinava, era incansável. Então o "brilhar", fazia parte da minha dedicação e era mais um incentivo”, completou. 

 

Na areia, ela recorda, jogou numa época em que o Estado era referência. “Muitas pessoas paravam para assistir aos jogos, arena lotava, tinha gente que ficava do lado de fora porque não tinha mais lugar para sentar”, destacou. 

 

“A arena era construída nos quatro lados e era imensa. Na época, lá pelos meus 12 anos de idade, tenho lembrança da quantidade, era incrível jogar com o público presenciando e aplaudindo”, acrescentou. 

 

A grande atleta jogou em várias equipes, mas o divisor de água na sua vida foi o Esporte Clube Santo Antônio. “Logo quando comecei a conhecer as equipes do Estado, foi o time que me revelou”, comentou. 

 

Outro clube marcante em sua trajetória foi o Kindermann de Caçador (SC). “Foi o time que me fez conhecer o futsal pelo Brasil todo, e ainda me fez campeã mundial de futebol de campo universitária”, destacou. 

 

Ela acredita que em relação a divulgação e competições, este seja o melhor momento do Estado do futebol de areia feminino. Outro fato relevante é a presença das atletas locais nas disputas internacionais. 

 

“Eu acho incrível, nunca poderia imaginar que chegaríamos nesse nível, na minha época isso era sonhar, e ainda pensar que não seria possível!”, disse. 

 

“Vê-las se destacando no Brasil a ponto de serem convidadas para jogar por times internacionais é um grande avanço para o beach soccer capixaba”, afirmou. 

 

Fernanda ficou muito feliz pela conquista do título nacional pelo São Pedro, clube pelo qual foi artilheira do Brasileiro do ano anterior, realizado em Anchieta. 

 

“O título veio para coroar o grande trabalho que é feito pela equipe e pelo projeto”, disse. 

 

Pessoa muito querida e de energia das mais positivas, Fernanda considera injusto citar nomes de parceiras favoritas das quadras e fora delas.  

 

“O esporte me apresentou pessoas maravilhosas em todas as fases que vivi e hoje ainda me apresenta. O esporte tem essa facilidade de colocar pessoas boas em sua vida e até essenciais em alguns momentos”, comentou. 

 

Infelizmente, a temporada de 2022 pode ser a última da grande atleta. “Depois de um tempo, nossas prioridades mudam e a vida de atleta começa a ficar um pouco mais difícil. Mas vamos ver no decorrer do ano”, afirmou. 

 

Amante do futebol, Fernanda não abre mão de jogar suas "peladinhas", nas horas vagas. Mas também gosta de estar com a família e amigos curtindo um bom churrasco. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

47.2%
23.1%
29.7%