02/09/2019 às 18h31min - Atualizada em 02/09/2019 às 18h31min

Gatão Lanches, um brilho que se apaga em Colatina

Após 47 anos ininterruptos o charmoso barzinho fecha as portas

- Nilo Tardin / Laili Campostrini Tardin
Gatão Lanches. O começo de tudo. Anos 70. O barzinho fechou as portas em 31 de agosto deste ano no centro de Colatina, cidade de 123 mil habitantes do noroeste capixaba
Uma luz se apaga na Cassiano Castelo.  Não haverá mais expediente a partir desta segunda-feira, 2 na charmosa casa nº 248 onde durante 47 agradáveis e deliciosos anos funcionou o Gatão Lanches no coração do centro de Colatina, noroeste capixaba.

O bar fechou as portas no último dia 31 de agosto. Cumpriu com esmero sua missão ao longo de quatro décadas como ponto de encontro dos amigos. Sempre regado a cerveja geladinha, pizzas e tradicional cardápio de quitutes da cozinha libanesa.  

O brilho noturno da fachada iluminada do Gatão se apaga de vez na noite colatinense. A marca Gatão sai do ar com a baixa da empresa.  Fica para trás tatuado no tempo a era que a lanchonete lotava a rua de gente jovem, bonita e elegante. A onda era esperar as primeiras horas da madrugada para  curtir a Boate Anexo.

 É bom recordar que a Anexo também pertencia a Gatas Carone Júnior, o Gatão. Ele esteve à frente do barzinho durante 40 anos desde que o abriu aos 21 anos quando ainda fazia faculdade, cabeludo calça boca de sino e sapato cavalo de aço.  

Só saiu detrás do balcão depois que se aposentou há sete anos.  “Abrimos o Gatão Lanches em 1972. No começo de tudo era apenas um corredor estreito com bancos de madeiras na bancada”, recordou. Ali eram servidos os já famosos salgadinhos e doces de sua mãe Dona Ana Nakad Carone e apoio do pai Gatas Carone que veio do Líbano.  Nessa época, os trilhos da estrada de ferro cortavam a cidade o meio. 

O Bar do Gatão, ponto a ponto acompanhou as transformações da cidade. Ainda nos agitados Anos 70 no local funcionou num curto período, o restaurante e piano bar Al Ryan com apresentações diárias do mestre da bossa nova e do jazz Gilberto Garcia.

Do balcão no corredor a moderna decoração arquitetada agora pela renomada médica Kelly Guariento Marques, o Gatão Lanches deixa saudades. Do céu, freqüentadores assíduos também deixaram lembranças como Chico Papagaio, Luiz Benetti, Arnaldo Mageste, Honorinho Fraga, Mário Campi, Vassoura entre outros filhos ilustres da Princesa do Norte.

Sem contar a atuação marcante e histórica do garçom Manuel. Gatão decidiu que era hora de parar por que a filha que assumiu o negócio não quis continuar no ramo.  Enfim, o brilho que se apaga encerra uma era, mas recomeça outra após aparecer um grupo com intenção de  abrir um bar e restaurante com outro nome,  é claro -, daqui uns meses… Obrigado Gatão.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

41.0%
25.5%
33.5%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...