05/03/2020 às 11h48min - Atualizada em 05/03/2020 às 11h48min

Graças ao Seu Mazinho, fui primeiro a confirmar ida de Sávio para o Real

- Peter Falcão
Peter Falcão - Jornalista
Foto Reuters
Quando o Sávio era menino e iniciava vida no futebol carioca, ele o levava na redação, orgulhoso. E sua alegria nos contagiava.

Um dia fui pautado para o entrevistar sobre possibilidade de o Sávio, estrela do Flamengo, ser contratado pelo Real Madrid. Havia burburinho frenético sobre o tema na imprensa.

A estratégia que tracei foi cansá-lo com turbilhão de perguntas visando a arrancar confissão indiscreta. Levei 15 perguntas anotadas no bloquinho com logomarca da Rede Gazeta, onde trabalhava.

Chegando ao seu supermercado, antes mesmo de ligar o gravador, ele lançou no ar. “Repórter, está tudo acertado. Sávio viaja dia 15 para exames médicos”.

Sinceramente, me senti desarmado. O que fazer com aquele punhado de perguntas?

Colhi detalhes sobre a viagem e mais informações, mesmo à distância, do sentimento do atleta, dele e demais familiares.

Fiz bela matéria. No outro dia, o saudoso Sarcinelli mexeu comigo. “Ed, você deu furo nacional”, fiquei contente, embora o Sarci ainda insistisse em me chamar de Ed Motta, meu apelido da época de estagiário.

Sávio, campeão mundial pelo Real, veio passar férias com a família e Seu Mazinho nos ligou para divulgar jogo amistoso de Amigos do Sávio versus seleção de Patrimônio de Santo Antônio, distrito de Santa Teresa, onde ainda residiam parentes e amigos.

“Você é meu convidado, repórter. Vamos servir almoço depois”, disse.

Fomos lá, eu e meu amigo e repórter fotográfico Chico Guedes. O calor estava infernal. O amistoso foi até rápido. Longa foi a viagem. Então, a volta “prometia”.

Acabou a partida e fomos para cima visando a ouvir o Sávio ainda em campo. Ele pediu para o entrevistarmos na casa onde a família estava hospedada. O jornalista sabe que quando ouve algo parecido está prestes a se lascar.

E, como prevíamos, o Sávio esqueceu de nós. Ficamos esperando um tempão, mandamos recado, e nada do atacante.

Foi quando surgiu o Seu Mazinho e nos ofereceu de tudo, com imensa cordialidade. Agradecemos e falamos que queríamos somente ouvir o seu filho.

Ele fez cara de quem não entendia tamanha dificuldade para cinco minutos de boa prosa.

Entrou na casa e em menos de um minuto o Sávio apareceu, bastante cordial.

Então, subimos a serra de volta para a redação.

No outro dia, o jornal rodou com poucas páginas, devido à alta do papel. O editor usou somente uma foto e a fala do Sávio desapareceu do texto, de tão cortado.

Mesmo assim, obrigado Seu Mazinho por tamanha doçura e fino trato com o “repórter”.





 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%