11/12/2018 às 14h52min - Atualizada em 11/12/2018 às 14h52min

Homem que é homem não bate em mulher

- Nilo Tardin
Nilo Tardin
Mais de 1,4 mil ocorrências de violência doméstica deram entrada na Delegacia da Mulher de Colatina em 2017.

- Os casos são altos, confirmou a delegada especializada Jaciely Favoretti da 15 ª Delegacia Regional na manhã desta terça-feira, 11 no final do lançamento do projeto “Homem que é Homem ‘da polícia civil capixaba na Câmara dos Vereadores.

A delegada Jaciely destaca que o projeto chega à cidade no intuito de educar homem violento e reduzir o crime doméstico. “É mudar esse tipo relação familiar. Ou vai ter punição”, frisou.

O plano de ações preventivas chega ao noroeste do Espírito Santo após ser idealizado em 2015 por psicólogos e assistentes sociais da polícia.

A delegada da divisão especializada de atendimento a mulher Cláudia Dematté destaca que o plano de ação propõe maneiras pacíficas de lidar com os conflitos em casa.

“Homens denunciados na Lei Maria da Penha são convocados a participar de encontros reflexivos organizados por uma equipe psicossocial da polícia. São apresentados meios de desconstrução da atitude machista, além de conceitos para uma cultura de respeito e não violência”, afirmou. 

“O projeto visa mostrar aos agressores que não precisa ser assim. Os temas abordados objetiva conscientizar o agressor”, diz o o superintendente regional delegado  Landulpho Lintz.  

Pelas normas são realizados cinco encontros, uma vez por semana. O primeiro acontece pela via judicial. A permanência nos outros quatro é voluntária. 

Também participaram da cerimônia a delegada Natália Tenório, da Serra a investigadora Renata Duarte Lima e a assistente social Dryelle de Souza, destacadas no projeto, delegado chefe Édson Félix, além do comandante do 8º BPM de Colatina tenente coronel Rômulo Souza Dias e capitão Ricardo. 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%