23/07/2020 às 20h29min - Atualizada em 23/07/2020 às 20h29min

Poeta-Mor capixaba sempre vivo

Jornalista e poeta Sergio Blank faleceu hoje, 23 aos 56 anos em Cariacica (ES)

- Adilson Vilaça – jornalista e escritor.
...Não sei rezar. Acredito que molhar os pés nas ondas do mar é uma oração. O silêncio desenhado no horizonte é uma prece...”., narrou o poeta Blank
Sérgio Blank produz uma poesia de fazer borboleta desnudar-se de asas, de atear fogo nos oceanos, de aquietar congresso de trombetas. Sem embaraço e com loas a mortos exemplares, repito à exaustão: dentre os vivos, ele é o poeta-mor capixaba.

Na fase atual, que nos concedeu os acordes dissonoros de Blue sutil, sua prosa poética marca andamento e compasso de equilíbrio ímpar. Quem já bamboleou passos no balanço de arame farpado assim peculiar?


A vizinhança de estilo, amparada na inigualável fatura estética do texto de Sérgio Blank, pode ser garimpada no ouro temático de O spleen de Paris, de Charles Baudelaire, ou de a Prosa poética, de Arthur Rimbaud. Senão vejamos: “...pela janela aberta da sala, eu contemplava a arquitetura móvel que Deus faz com os vapores...” (A sopa e as nuvens, CB); “...Acreditei-me possuído de poderes sobrenaturais. Pois bem! Devo enterrar minha imaginação e minhas lembranças!...” (Adeus, AR).

Ou, ainda na galeria da transcendência, Sérgio Blank, em Blue sutil: “...Não sei rezar. Acredito que molhar os pés nas ondas do mar é uma oração. O silêncio desenhado no horizonte é uma prece...”.
 
Os poemas desse seu incrível manual da sensibilidade são despidos de moldura, não têm título; se me pedisse para batizar o poema citado, eu lhe ofertaria Oração. Mas Sérgio não é de pedir nada com o idioma da voz.

Não pediu sequer voto para entrar na Academia Espírito-Santense de Letras. Ousadamente, eu fiz campanha em seu nome, como se ouvisse rumoroso apelo de sua tão serena poesia. Houve farta concorrência, mas ninguém saiu derrotado. Porque a literatura venceu.

 
PS.: Escrito para uma publicação, na ocasião do lançamento de “Blue Sutil”. Sérgio não era Blank, era Blue. Sutil. Requiescat In Pacem, meu amigo. Muito comovido...
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%