28/05/2021 às 16h48min - Atualizada em 28/05/2021 às 16h48min

O casal Francisco Forzza e Olga Guidoni contribuiu com desenvolvimento de Colatina

​Centenário de Colatina

Presente & Passado
Francisco e Olga se conheceram em Santa Teresa, onde passaram a namorar. Foto: Álbum Familiar. Reprodução: Paulo César Dutra - Cesinha
Os empresários da exportação do caféFrancisco Forzzae Olga Guidoni, ambos descendentes de italianos nascidos em Santa Teresa, no Espírito Santo, no Brasil, formaram um casal investidor e de visão comercial em São Silvano, em Colatina, Espírito Santo, no Brasil.

Francisco e Olga ficaram muito conhecidos em São Silvano, pela contribuição que deram para o desenvolvimento não só do bairro, como da cidade, do Estado e para o país. O casal deixou um legado para os filhos. Eles são acionistas da Rio Doce Café S/A, empresa fundada em 1965, nascidada sociedade de um grupo de cafeicultores, do norte do Estado, cujos dividendos ficaram para os filhos.
 
Francisco e Olga se conheceram em Santa Teresa, onde passaram a namorar. E durante conversas com Olga, ele entendeu que ficar na roça não teria condições de crescer economicamente e precisava buscar um bom emprego na cidade de Colatina. Um tio de Olga,o Almir Faroni, que era proprietário, em São Silvano, de uma máquina de pilar café e arroz, precisava de uma pessoa para trabalhar com a máquina e resolveu convidar Francisco para fazer esse serviço.
 
Com 25 anos de idade, Franciscofoi o primeiro membro da família Forzza a se estabelecer em São Silvano, em 1940. Cinco anos depois, ele voltou a Santa Teresa só para se casar em 1945, com Olga Guidoni e vieram morar em São Silvano. Eles conseguiram, para isso, alugar uma casa na região onde hoje está situada a avenida Brasil, no Bairro Lacê, em São Silvano. Lá existia também, além de poucas residências, um curtume e uma olaria no local. Francisco e Olga depois mudaram-se depois para a rua Jabaeté, também em São Silvano.
 
Em 1948, dois irmãos do Francisco, Custódio Forzae Antônio Forzza chegaram a São Silvano. Algum tempo depois, chegaram lá as irmãs deles, Maria, Belirde, Carolina, Inês, Rosa e Libera.
 
Francisco deixou de trabalhar com a máquina de pilar em 1948, ocasião em que resolveu abrir, junto com Olga, o seu próprio negócio. Colocou um comércio atacadista, passando a comprar arroz, feijão, café e cereais em geral de produtores situados mais ao norte do estado, repassando-os para o comerciante de Colatina, já registrado, GuerinoMenegatti, uma vez que não tinha ainda legalizado sua própria firma.
 
Francisco não possuía sequer um caminhão para transportar a mercadoria e, sendo assim, era obrigado a pagar frete do local de compra dos produtos até o de revenda.
Oito anos depois de ter iniciado esse tipo de comércio, Francisco Forzza começou a melhorar realmente de vida, conseguindo, então, comprar um caminhão para o transporte das mercadorias.
 
Nessa ocasião já estava, inclusive, registrada a firma “Irmãos Forzza” que tinha como ramo mais forte o café: pilava e vendia café no atacado e no varejo, não só para Colatina, como também para outros municípios. Mas havia negócios, também, envolvendo arroz, feijão e cereais mais importantes na região. Os Forzza também se expandiram para a compra de madeira, posto de gasolina, frota de caminhões, fazenda, entre outras coisas mais.
 
Os primeiros tempos foram muito difíceis para Francisco e Olga pois, quando tudo parecia bem, houve um revés nos negócios e eles tiveram que, praticamente, recomeçar do nada, da mesma forma que quando Francisco chegou, em 1940, em São Silvano. Francisco, com apoio de Olga, foi bastante forte e conseguiu se reerguer através do trabalho e da honestidade com que tratou todas as pessoas.
 
E o casal construiu com seu próprio suor e força de vontade, uma fazenda na Bahia, posto de gasolina, vários caminhões, entre outras coisas mais. Apesar dos grandes sacrifícios que o casal fez, para Francisco e Olga valeu a pena, pois São Silvano evoluiu e as condições de vida foram compatíveis com os tempos em que eles viveram.
 
Francisco e Olga, que já são falecidos, tiveram os seguintes filhos: Rita, Regina, Rafael (in memorian), Rachel, Tânia, Rosangela e Roseane. Francisco foi homenageado pelo município de Colatina com nome de Rua, Francisco Forzza, no bairro Ayrton Senna, na área urbana da cidade.
 
A Rio Doce Café S/A Importadora e Exportadora
 
De acordo com a Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 22 de novembro de 2011.A assembleia da empresa foi realizada na Rua XV de Novembro, 65, Conj. 2A e 2B, Santos - SP. Presentes os acionistas Custódio Forzza Comércio e Exportação Ltda, Aldina Saviato Breda, Humberto LuisArpiniGobbi, Cícero Saviatto Breda, Leonardo Saviato Breda, AnelizeSaviatto Breda, Carolina Saviato Breda, Olga GuidoniForza, Nicchio Café S/A Exportação e Importação, Gobbi Participações Ltda e Gobbi Empreendimentos Imobiliários S/A.  Esta ata está publicada na página 15 da Empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOSP) de 22 de Dezembro de 2011, que comprova a participação do casal Francisco Forzza e Olga, em uma das maiores empresas de exportação e importação do Espírito Santo.
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

46.4%
23.4%
30.2%