17/02/2022 às 06h25min - Atualizada em 17/02/2022 às 06h25min

Colatinense presidiu comissão da Vale que doou área da antiga estação

A área doada fica localizada no bairro Esplanada

- Paulo César Dutra
Coluna Presente & Passado
Antiga Estação Ferroviária na Praça do Sol Poente. Foto: Nilo Tardin - Janeiro 2022.


 O colatinense, ferroviário aposentado e ex-deputado federal João Cezar de Moraes foi quem presidiu a Comissão da Vale, que resolveu todos os entraves em definitivo para doar à Prefeitura Municipal de Colatina uma área de 65 mil metros quadrados, que funcionou como complexo da estação ferroviária da cidade ocupado pela empresa de 1949 até 1975, no bairro Esplanada.

João, que atualmente mora em Vitória,  é filho do ferroviário aposentado Ayrton Moraes e dona Ema Franco Moraes. Ele nasceu na casa do avô, um dos desbravadores e criadores de Colatina, Liberalino Nunes Moraes, no centro da cidade.

Criado praticamente na sua terra natal, João morou por pouco tempo Argolas, em Vila Velha. Ele retornou as Colatina, tendo estudado no Grupo Escolar Arisitides Freire e no Colégio Estadual Conde de Linhares, acabou virando adulto no bairro de Maria Esmênia, em Colatina, ocasião que passou a ser funcionário da Vale. A área doada e ocupada agora pela Prefeitura, fica localizada na avenida Angelo Giuberti, no bairro Esplanada.
 
De acordo com a história, a primeira estação ferroviária de Colatina, foi construída no centro da cidade, onde hoje é a Praça Getúlio Vargas, tendo sido inaugurada no dia 28 de outubro de 1906, no quilômetro 128 da ferrovia. Esta estação funcionou até 1949, quando a Vale adquiriu uma área de 65.000 m2 no bairro Esplanada onde construiu a nova estação.

Como a ferrovia passava no centro da cidade que crescia muito, o transporte ferroviário tornou-se um empecilho para o desenvolvimento de Colatina. A Vale então, atendendo reivindicação da cidade, fez um desvio da ferrovia do centro da cidade. Em 1975, pela última vez, um trem da Vale passou pelo centro da cidade e a  área de 65.000 m2 perdeu a sua utilidade para a ferrovia. E foi assim que começaram os contatos da Prefeitura com a Vale, a respeito da utilidade do terreno.
 
Em novembro de 1984, tendo a cidade como prefeito Tadeu Giuberti, as conversas pessoais com técnicos da Vale, foram iniciadas. João Cezar foi então designado pela Vale para cuidar das negociações com a administração da Prefeitura de Colatina e foi iniciada a formalização da transferência do terreno para a cidade, desde que a prefeitura apresentasse um projeto de utilização e urbanização de toda a área a ser transferida. “A indicação do colatinense João Cezar representando a Vale, foi decisiva na solução da entrega definitiva à Prefeitura de Colatina da área de 65.000 m2 do antigo pátio da estação. Como prefeito naquela ocasião, considero esta, uma das maiores conquistas para Colatina”, disse Tadeu Giuberti, prefeito da cidade no período de 1982 a 1988.
 
Após as assinaturas dos termos legais entre a Vale e a Prefeitura de Colatina, foram declaradas de utilidade pública para efeito de desapropriação, em favor do Município de Colatina, uma área de 65.000 m2, a fim de dar-lhes finalidade social, preservando as suas áreas naturais, para desfruto e lazer dos munícipes e futura implantação de projetos culturais e de urbanização de sistemas viários.
 
O que funciona na área
 
Hoje, na área de 65.000 m2 doados pela Vale para a Prefeitura de Colatina, funcionam os seguintes setores: Batalhão da Polícia Militar e Posto de Vacinação de Combate a Covid-19. Está previsto o funcionamento de um Terminal de Ônibus na antiga estáção ferroviária.
 
 
 
  
 
 
 
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Quais são os piores motoristas de Colatina

47.2%
23.1%
29.7%